domingo, 24 de maio de 2009

Veja bem, meu bem.

(...)
E o amigo me perguntou hoje:
- E você sente falta dela? Do cheiro do cabelo dela e de acordar...
E eu:
- Eu sinto, só eu sei... eu sinto, todos os dias e...
Uma pausa, não dava pra falar.
Os olhos continuaram tentando explicar o que eu havia começado, se ele me entendeu eu não sei.
Ficou, calado, me olhando.
Eu não sei pra onde eu olhava, olhava dentro de mim, pros lados...
Ele ficou, calado, me olhando.
Daqui a pouco os olhos dele começaram a me dizer que entendiam assim como os meus tentavam explicar.
E no fim eu disse:
- Não importa, sabe? Esse tempo todo. Eu posso esperar, eu posso não estar com ela daqui a um tempo, posso viver outra vida que eu não esperava, mas um dia a gente se encontra...
(pausa)
Continuei:
- ... um dia a gente se encontra e pode ser que sejamos velhinhas, mas só de pensar nos meus olhos cruzando com os dela... (pausa)... vai ser como se tivessemos 18, de novo.


... porque o amor (o amor que é amor, o meu amor) não envelhece, ou ele tem 12, 11, 10, 9 anos... ou ele espera.

- Sabe?

- Não, não sei.

- Eu sei que não, só a gente sabe.

(Eu só queria olhar, só olhar. Se você pudesse me ver... se você pudesse... apostaria tudo em mim, não mais com os olhos abertos, com os olhos fechados denovo.)

2 comentários:

Rah Noronha disse...

incrivelmente lindo, lindo lindo lindo !

porque...

"só agente sabe" !

*----*

Etienne. disse...

Um cílio acabou de cair do meu olho (no meio de uma lágrima que percorreu minha bochecha esquerda), só de pensar na possibilidade de fechar os olhos sem medo de abrir e não te encontrar.

eu te amo, eu te amo...